Ir direto para menu de acessibilidade.
Você está aqui: Feed de Notícias > A biodiversidade de besouros rola-bostas (Scarabaeinae) em diferentes usos de solo, está sendo desenvolvido no Laboratório Multiuso do Instituto de Estudos do Xingu (IEX).
Início do conteúdo da página

A biodiversidade de besouros rola-bostas (Scarabaeinae) em diferentes usos de solo, está sendo desenvolvido no Laboratório Multiuso do Instituto de Estudos do Xingu (IEX).

Publicado: Segunda, 07 de Junho de 2021, 13h39 | Última atualização em Quarta, 16 de Junho de 2021, 16h36 | Acessos: 165

Os besouros rola-bosta compõem um grupo de insetos muito importante para a ciclagem de nutrientes e, consequentemente, o funcionamento do ecossistema. Sendo assim, as atividades agrícolas capazes de preservar esses besouros apresentam benefícios não só para manutenção do solo, mas também para o retorno econômico da produção e para o meio ambiente, pois reduz a necessidade de insumos agrícolas. Além disso, por sua amostragem ser de baixo custo, responderem às alterações ambientais e existirem em quase todos os ambientes, esses organismos se tornam excelentes ferramentas para a bioindicação da qualidade do ambiente. 

Pensando nisso, estamos desenvolvendo as atividades do projeto “A biodiversidade de besouros rola-bostas em diferentes usos de solo”, que, em parceria com o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), tem como objetivo avaliar os impactos dos diferentes usos do solo sobre esse besouros, ou seja, “qual a forma de produção que mais se assemelha à vegetação nativa?” e “quais espécies estão presentes nesses usos?”. A utilização do besouro rola-bosta como bioindicador para responder estas perguntas parte do princípio que é possível tirar conclusões a partir da observação de uma parte de um ecossistema muito mais complexo, onde vamos poder saber qual a forma de produção afeta menos o equilíbrio dos ecossistemas, ou seja, como o meio ambiente pode suportar as pressões das intervenções produtivistas sem colapsar ao longo do tempo.

Inicialmente, foram realizadas atividades de coleta de insetos em áreas de mata nativa, sistemas agroflorestais de cacau e pastagens na vila Tancredo Neves. Após a coleta, os insetos foram levados ao Laboratório Multiuso do Instituto de Estudos do Xingu (IEX) e separados os rola-bostas dos outros grupos de insetos.

O próximo passo é identificar quais são as espécies que ocorrem nos diferentes sistemas para que possamos avaliar o grau de conservação dos ambientes não só em relação ao número de indivíduos ou espécies, mas também saber qual a identidade das espécies presentes nos locais avaliados. A partir daí, pretendemos elaborar uma projeção/estimativa do equilíbrio ecológico no sistema avaliado e propor metodologias mais específicas para o monitoramento da qualidade do meio ambiente, auxiliando em futuras tomadas de decisões estratégicas na região e, consequentemente, nortear sistemas mais sustentáveis. Esses são os objetivos finais do projeto de pesquisa desenvolvido pelo Núcleo de Estudos em Ecologia e Conservação do IEX.

Esta iniciativa coadjuva uma série de estudos integrativos e colaborativos entre o IEX, Imaflora e Sábi@s Agricultores, que se propõem a elucidar questões fundamentais dentro da dinâmica agropecuária/produtiva regional, e cooperam para fortalecer, não somente o tripé ensino-pesquisa-extensão, como também a agricultura familiar, e concomitantemente fortalecem as ações no âmbito da consolidação dos atores que se propõem a contribuir com a Agricultura Familiar e a sociedade como um todo.

Autores: Wallace Beiroz (docente - Unifesspa), Elaine Carvalho da Silva (discente - Unifesspa) e Rúben Gouvêa (Consultor em Agroecologia e Agricultura Regenerativa do Imaflora).

 

 
 
 
 
registrado em:
Fim do conteúdo da página